quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

Gonçalo Montoya passa a bandarilheiro


O jovem novilheiro Gonçalo Montoya comunicou ontem a alguns amigos, entre os quais o gestor do Campo Pequeno, Rui Bento e o Maestro Vitor Mendes, a sua decisão de passar a bandarilheiro, abandonando o sonho de um dia ser matador de toiros. "Abandonar por completo o sonho, não abandona, pode um dia retomar tudo de novo, mas de momento e como as coisas estão, não é fácil andar de novilheiro e, pelo menos, o Gonçalo continua no meio, ligado ao meio e a exercer a sua profissão de toureiro com dignidade", adianta fonte próxima do jovem diestro de Santarém.
Montoya começou muito novo, há mais de dez anos, na então existente Escola de Toureio de Santarém, tendo como mestres Joaquim Grave e César Marinho. Ao longo da sua trajectória, passou por outras escolas de toureio e teve outros mestres, entre os quais Vitor Mendes. Chegou uma temporada a parar, anunciando que desistia, para no ano seguinte regressar. Com valor e arte, passeou a sua vontade de ser toureiro por arenas tão importantes como as da Real Maestranza de Sevilha, do Campo Pequeno, de Ronda, de El Puerto de Santa Maria, de Córdoba, esteve nas finais dos ciclos "Zapato de Plata" e das Escolas Sevilhanas.
Os irmãos estão todos eles ligados também à tauromaquia. Francisco é um destacados elementos do Grupo de Forcados do Aposento da Chamusca e o mais novo, Fernando (17 anos) já participou em treinos e deverá estrear-se esta temporada na arte de pegar toiros.

Foto Pedro Batalha