segunda-feira, 23 de maio de 2022

Próximo sábado em Beja: a Revolução segue em frente!

Foto M. Alvarenga



Corrida imperdível esta 5ª feira na Chamusca!



Diogo Peseiro na Herdade da Galeana

Realizou-se ontem na Herdade da Galeana uma festa muito pessoal do Dr. Joaquim Grave, que reuniu muitos amigos e suas familias, em tempos de aniversário natalício "dos setentas"

Diogo Peseiro foi o convidado para tentar duas vacas e um toiro de Murteira Grave.


Peseiro deixou excelente ambiente entre os presentes, Aficionados com "solera", num domingo  inesquecível...


Foto D.R.

Afonso Jesus: quem era o jovem que foi morto por um toiro na largada na Moita

Afonso José Gomes de Jesus, o jovem de apenas 16 anos que na madrugada de sábado foi mortalmente colhido por um toiro na primeira largada das festas da Moita, era jogador de futsal do Grupo Desportivo Escola Básica D. João I/Parque Infantil Estrela Vermelha, da Baixa da Banheira.

"Bom aluno, divertido e cheio de vida. Afonso era aficionado, mas não tinha experiência nas largadas. Foi colhido pela sua distracção e ingenuidade", escreve no Facebook o jornalista Nelson Lopes.

Também no Facebook, na página do Grupo Desportivo da Escola Básica D. João I da Baixa da Banheira, se recorda "a sua eterna alegria" e o "sorriso maroto que sempre demonstrou", apresentando-se os sentimentos à família, aos amigos, aos colegas e treinadores "e a todos os que puderam desfrutar da sua honesta ingenuidade".

O acidente ocorreu perto das duas horas da madrugada do passado sábado em plena Avenida Teófilo Braga, que vai dar à praça de toiros "Daniel do Nascimento", onde por tradição decorrem as largadas. A da madrugada de ontem foi a primeira da Feira de Maio.

O jovem sofreu graves ferimentos na zona do pescoço e foi assistido no local por uma equipa da Cruz Vermelha e levado para o posto de socorro montado junto da zona da largada, sendo depois transportado em estado crítico ao Hospital de Nossa Senhora do Rosário, no Barreiro, onde viria a falecer.

O corpo do jovem Afonso de Jesus está no Hospital do Barreiro, a aguardar pela realização da autópsia, não estando por isso ainda marcadas as cerimónias fúnebres.

Foto D.R./GD EB D. João I/PIEV/Facebook

Próxima 5ª feira, dia 26: todos os caminhos vão dar à Chamusca!

José Pedro Suissas: novo cabo dos Amadores do Montijo apoiado pelas antigas glórias na temporada da renovação

José Pedro Suissas no sábado em Setúbal na tertúlia de Francisco
Costa e, em baixo, numa histórica pega em 2018 na Monumental
do Montijo

Miguel Alvarenga - José Pedro Suissas tem 24 anos e é o novo cabo do grupo de forcados Amadores do Montijo, uma formação com prestígio e muita história e que dentro de dois anos celebra o 60º aniversário da sua fundação (em 1964, sendo primeiro cabo José Jacinto Carvalheira).

José Pedro é o 13º cabo dos Amadores do Montijo e sucedeu no final da temporada passada a Ricardo Figueiredo, que o comandava desde 2003. Iniciou-se nos treinos com apenas 15 anos de idade e pegou o seu primeiro toiro, defendendo a jaqueta do grupo que agora comanda, na desactivada praça da Póvoa de Varzim, quando acabara de completar 16 anos.


“Sempre me dediquei muito ao Grupo do Montijo e por isso fiquei muito satisfeito quando no ano passado o antigo cabo e todos os elementos me elegeram a mim para ser o novo cabo”, afirma, frisando:

 

“Estou consciente da enorme responsabilidade deste desafio que aceitei e o meu objectivo agora é levar o grupo para a frente e defender e consolidar o seu nome entre os primeiros”.


“Vou tentar e vou conseguir”, diz, com convicção.


“Temos no grupo muita matéria nova para conseguir andar para a frente. Já tivemos alguns treinos, o último dos quais nos foi proporcionado no seu tentadero pelo Maestro António Ribeiro Telles, há muitos jovens com valor e que estão agora a rodar, tenho no grupo vários rapazes que são filhos e até netos de antigos elementos do grupo”, afirma José Pedro Suissas, considerando que “neste momento vamos dar início a uma fase de renovação”.


“Estamos a renovar o grupo e a crescer para o futuro. A meta e o primeiro objectivo é recuperar todo o historial deste grupo que já foi dos primeiros do país e em 1970 foi galardoado com o Prémio de Imprensa, que era nesse tempo um dos principais troféus que existiam no país. Este será o meu primeiro ano como cabo, vamos rodar os novos forcados e preparar o grupo para em 2024 celebrar o seu 60º aniversário”, acrescenta.


A primeira corrida da temporada será no próximo dia 2 de Julho, a tradicional de São Pedro na Monumental do Montijo. Depois, outras virão, mas José Pedro Suissas não pretende fazer muitas corridas nesta primeira temporada como cabo e explica porquê:


“Há já alguns contactos para ir a outras praças, mas certas não tenho ainda muitas corridas, nem pretendo este ano fazer um número muito grande. Sei que as coisas não estão fáceis, há hoje muitos grupos a pegar, mas além disso vamos iniciar, como disse, uma fase de renovação total no grupo e o grande objectivo é rodar os novos forcados nesta e na próxima temporada por forma a que tenhamos de novo um grande grupo dentro de dois anos para então comemorarmos com toda a dignidade que se impõe o nosso 60º aniversário”.


Glórias do GFA do Montijo a apoiar o novo cabo. Da esquerda 
para a direita: Mário Pereira, Francisco Costa, José Pedro Suissas,
António Sécio e Ernesto Fernandes


A minha conversa com José Pedro Suissas teve lugar no último sábado durante um almoço em Setúbal em casa de Francisco Costa Montezo, que foi uma das grandes glórias dos Amadores do Montijo e depois comandou o grupo de Amadores Lusitanos - e que está agora, com outros antigos elementos do GFA do Montijo, a apoiar esta nova fase do grupo liderada pelo novo cabo.

Neste encontro marcaram também presença mais três glórias dos Amadores do Montijo: Ernesto Fernandes, membro da fundação do grupo, o antigo e emblemático cabo António Sécio e Mário Pereira, o mais novo dos quatro, já afastado das arenas também, mas que nunca se retirou oficialmente. “Aprendi com o saudoso José Luis Figueiredo que um forcado nunca se retira, é forcado até ao fim da vida”, diz-me o Mário.


Estes quatro antigos forcados, juntamente com outros que não puderam no sábado comparecer ao almoço, constituem agora o “núcleo duro” de antigas glórias que estão a dar todo o apoio ao novo cabo José Pedro Suissas nesta decisiva fase de renovação do grupo - que todos eles continuam a sentir na alma e no coração.


“O grupo não é só os elementos actuais, tenho que contar também com os forcados antigos e com os acompanhantes do grupo, que são muitos, é com eles todos que vou contar para renovar o Grupo do Montijo”, afirma José Pedro, salientando “a importância de os ter a meu lado e de com eles poder aconselhar-me e aprender com as suas vivências e com a sua muita experiência”.


Quando lhe perguntei se considera que hoje existem grupos de forcados a mais, José Pedro Suissas nem pestanejou: “Há, claro que há. Ou há grupos a mais ou então há menos corridas do que as havia antes, mas não há corridas para tantos grupos, isso é uma realidade”.


Embora esse prémio hoje já não exista, mas pela importância e pelo significado que ele teve na história do GFA do Montijo, simbolicamente, será que vamos ter o grupo a ganhar de novo o Prémio de Imprensa?


“Espero bem que sim! Gostava muito que isso acontecesse!”, respondeu o novo cabo, falando depois das suas expectativas para a temporada:


“Sinceramente não estou à espera de uma grande temporada, no que respeita ao número de corridas. É a minha primeira como cabo e estou em fase de renovar o grupo, como disse anteriormente, mas tenho uma boa expectativa, tenho elementos com raça e com valentia e acho que vai ser uma boa temporada, mas com poucas corridas”.


Perguntei-lhe, para terminar a nossa conversa, o que significa para ele ser forcado:


“É uma coisa inexplicável! É um conjunto de sensações, de ética e de moral que nem todos conseguem ter. É ter humildade para saber ouvir, para crescer, para saber aprender. Não é para qualquer um, mas é uma maneira muito especial de estar na vida e de a encarar com um profundo sentido de amizade e de solidariedade, um por todos, todos por um!”.



Ouvi depois os antigos forcados (a meu lado na foto de cima) e comecei precisamente por perguntar ao antigo cabo António Sécio que expectativas tem para esta nova fase da vida de um grupo que lhe diz tanto:

“Diz-me mesmo muito! São muitos anos, eu estou ligado ao grupo desde 1965, passei pelas fases todas, fases grandes, fases menos boas, mas em que, no fundo, o grupo seguiu sempre em frente. E é de louvar que estejamos próximo de cumprir 60 anos e possamos dizer que durante todos este anos nunca interrompemos as nossas actuações, a nossa actividade. Somos um grupo formado em 1964 e que nunca esteve parado ano nenhum. Eu acho que isto é um facto importante. Infelizmente, muitos grupos interrompem a sua carreira, depois continuam a chamar a sua antiguidade à data da formação, coisa com que não estou de acordo, mas a ANGF não tem feito nada nesse sentido, no sentido de clarificar essas situações menos claras. Mas, seguindo em frente e em relação a este novo período que o GFA do Montijo vai agora iniciar sob a chefia do José Pedro Suissas, eu espero muito dele, é um elemento novo, com muita vontade, com sonhos como os que eu também já tive quando me iniciei no grupo e procurei sempre fazer tudo o que me era possível, e às vezes até o que era impossível. Portanto, o grupo faz parte necessariamente da minha vida, da minha história, da minha tradição e o que eu desejo é poder contribuir para que o José Pedro continue essa tradição e que leve o grupo onde nós queremos e onde nós sonhamos, com bons elementos, com certa humildade, dentro da ética que sempre tivemos, sempre com galhardia e com vontade de se afirmar nas praças”.


E, do alto da autoridade que lhe confere todo o seu enorme historial como forcado, acrescenta Sécio:


"Os tempos que vivemos são outros. Considero que há hoje uma enorme falta de respeito pelo Forcado Amador e, lamentavelmente, isso parte dos próprios empresários que temos actualmente e que são, quase todos, antigos forcados, o que é inconcebível. Olhe, antigamente, não havia corrida em que nos programas não viesse a total composição de cada grupo, com os nomes de todos os forcados. Essa tradição perdeu-se por completo e é pena. Tenho que dar os meu parabéns ao José Luis Gomes, agora empresário da praça da Chamusca, que no cartaz da corrida do próximo dia 26 colocou os nomes de todos os elementos dos dois grupos que vão pegar, como se fazia antigamente. Mas isso é raríssimo acontecer hoje em dia e é lamentável, às vezes põe só o grupo nos programas e nem o nome do cabo vem... Olhe, por exemplo, vi um cartaz da corrida do próximo dia 2 de Julho no Montijo em que o nome do novo cabo do nosso grupo vem completamente errado: João Pedro Suiças... e ele chama-se José Pedro Suissas! Acho que com isto digo tudo: hoje não se respeita o Forcado!".


E depois deste importante depoimento de um antigo elemento e ex-cabo do grupo que continua a ser uma referência eterna e respeitada nos Amadores do Montijo e no seio da forcadagem nacional, dei a palavra a Mário Pereira, dos quatro presentes o mais novo, começando precisamente por lhe perguntar se ainda o vamos ver fardado de novo nas arenas:


“O meu forcado de elite foi o José Luis Figueiredo, foi quem me ensinou a pegar toiros, que sempre disse que os grande forcados nunca fazem despedidas, apenas se retiram das arenas. Gostava de me voltar a fardar na corrida dos 60 anos do grupo, em 2024, mas apenas nessa”.


E, sobre esta fase de renovação, afirma:


“Espero que o José Pedro leve o grupo a bom porto, ele lidera agora um grupo com muita história, espero que o grupo vá por diante. E depois das palavras sábias de Mestre António Sécio, penso que ficou tudo dito e que não preciso de acrescentar mais nada. Estou aqui para dar todo o meu apoio ao novo cabo”.


A palavra agora a Ernesto Fernandes, elemento da formação do grupo:


“Sou fundador do GFA do Montijo com muito orgulho e faço votos para que este novo cabo José Pedro tenha os êxitos que eu e todos nós tivemos naqueles primeiros tempos”.


E, sobre os inícios do grupo, recordou com alguma emoção:


“Eu peguei durante seis anos, integrei a primeira formação do grupo em 1964, foi nosso primeiro cabo o José Jacinto Carvalheira, que graças a Deus ainda está vivo, reside na Bélgica, mas afastou-se por completo do meio taurino. Sempre tentei ajudar o grupo conforme sabia e como fui ensinado pelos meus grandes amigos Carlos Gato e Júlio Nepomuceno, que estavam ligados ao Grupo de Santarém, mas eram uma espécie de mentores do Grupo do Montijo, nessa altura havia uma grande ligação entre os dois grupos. E agora aqui estou de novo para apoiar o novo cabo e lhe dar toda a força e toda a colaboração. Até que a voz me doa, como canta a Maria da Fé!”.



Por fim, ouvi Francisco Costa Montezo, que no meio taurino todos conhecem por Xico Moura (por ser natural da vila alentejana de Moura) ou por Xico Costa, que foi uma das grandes glórias do GFA do Montijo e posteriormente elemento e cabo dos desaparecidos Amadores Lusitanos, sendo também um grande nome de referência no seio dos Fuzileiros Especiais:

“Estou aqui também para prestar toda a colaboração e apoio ao novo cabo José Pedro Suissas, que é já um grande forcado e isso, como sabem, é meio caminho andado para poder exercer a missão de comandar o grupo. O Grupo do Montijo foi no passado um dos grandes grupos deste país, passou depois por fases menos boas, mas reconheço neste jovem valor e vontade para conseguir dar a volta e recolocar o nosso grupo na primeira fila. Tem muita rapaziada nova, que obviamente vai precisar de rodar e de se consolidar, o grupo vai atravessar agora uma fase de renovação e acredito que em 2024 esteja outra vez em alta para celebrar, como todos desejamos, o nosso 60º aniversário”.


Fotos M. Alvarenga e Emílio de Jesus/Arquivo 


Amanhã é o grande dia! "Juanito" confirma a alternativa no primeiro palco da tauromaquia mundial!

Há 28 anos que um matador português não confirma a alternativa em Madrid - foi Pedrito de Portugal o último -, a mais importante praça de toiros do mundo - a praça que "tudo dá e tudo tira" aos toureiros. O principal palco da tauromaquia mundial.

O dia de amanhã será o primeiro dia do resto da vida do nosso matador João Silva "Juanito", que vai a Las Ventas confirmar a sua alternativa no 17º festejo da Feira de Santo Isidro.

O novo ídolo da aficion portuguesa reparte cartel com os matadores espanhóis Daniel Luque e José Garrido e os três vão enfrentar toiros da ganadaria Valdefresno

Com "Juanito", a apoiá-lo, vão estar amanhã inúmeros aficionados portugueses em Las Ventas.

Que tenha a maior sorte do mundo e dê em Madrid o grande passo em frente na sua tão promissora carreira!

Foto D.R.


Cuéllar faz a Álvaro de la Calle a justiça que Madrid lhe negou

O Ayuntamiento e a empresa da praça de toiros da localidade segoviana de Cuéllar vai dar ao matador del toiros Álvaro de la Calle (foto) a oportunidade que Madrid lhe negou - depois de no Domingo de Ramos ter enfrentado, como sobressalente que era, com todo o valor e dignidade, cinco toiros por colhida de Emílio de Justo na sua "encerrona" em Las Ventas.

Desde 2016 a actuar exclusivamente como toureiro sobressalente, depois de nesse ano ter integrado pela última vez um cartel como toureiro titular, em Muro, onde repartiu cartel com Paco Ureña e Morenito de Aranda e cortou três orelhas a toiros de Mercedes Pérez Tabernero, Álvaro de la Calle vai finalmente voltar a ser cabeça de cartaz em Cuellar - e, ainda por cima, com uma corrida de Partido de Resina (ex-Pablo Romero).

A corrida, anunciada pelo site cultoro.es, não tem ainda cartel rematado, nem data oficial, mas será no último fim-de-semana de Agosto.

Foto Plaza 1

Toiros de Partido de Resina (ex-Pablo Romero) no domingo em Montemor

No próximo domingo 29 de Maio regressa a emoção à castiça praça de toiros de Montemor-o-Novo. Desta feita a corrida será promovida pela empresa da Arena D'Évora (NEPE). Uma grande corrida de toiros Agrovisul. Reserve já o seu bilhete em 922 249 947.

Lida-se um imponente curro de toiros com idade, peso e trapio da mítica ganadaria espanhola Partido Resina (os antigos Pablo Romero). Que regressam assim a esta arena após o triunfo ali obtido há quinze anos. Aqui ficam as fotos em destaque de três exemplares

 

Em praça, teremos a veterania de Rui Salvador e os jovens Miguel Moura e Luís Rouxinol Jr. que debutam nesta castiça praça alentejana após uma última temporada recheada de triunfos.

 

No capítulo das pegas dois dos grupos mais consagrados de PortugalAmadores de Montemor e de Évora, respectivamente capitaneados por António Pena Monteiro e João Pedro Oliveira.

 

Já pode comprar os seus bilhetes em:

  • Évora - Tasquinha Dona Bárbara (Mercado Municipal): Segunda a Sábado das 9h às 12h e das 15h às 19h
  • Montemor - Praça de Toiros: 25 a 29 de Maio das 11h às 18h
  • Lisboa - Praça de Toiros do Campo Pequeno: Segunda a Sexta das 10h às 22h
  • Lisboa - El Corte Ingês: Segunda a Domingo das 10h às 20h
  • Porto - El Corte Inglês: Segunda a Domingo das 10h às 20h
  • Online Ticketline ou Tauronews
  • Reservas -  922 249 947
Fotos D.R./cortesia NEPE




Madrid, ontem: colhida e triunfo do mexicano Leo Valadez

Ricardo Relvas (correspondente em Espanha) - Aparatosa colhida no último toiro da tarde (felizmente sem consequências de maior) e triunfo grande do matador mexicano Leo Valadez ontem em Madrid, na 15ª corrida da Feira de Santo Isidro, em que confirmou a alternativa.

O toureiro mexicano, que no toiro da confirmação foi ovacionado e teve leve petição de orelha, cortou depois a única da tarde ao sexto toiro, deixando enorme ambientazo em Las Ventas.

O valente "El Fandi", azarado com a espada, foi silenciado nos dois toiros do seu lote. O sevilhano Manuel Escribano (que em Outubro actuará na Feira de Vila Franca), foi silenciado no primeiro toiro do seu lote e deu aplaudida volta à arena no segundo, depois de meritória faena que merecia uma orelha - pedida pelo público e não concedida pela presidência.

Destaque para a presença em Madrid do valoroso bandarilheiro luso Diogo Vicente, que integra a quadrilha do matador David Fandilla "El Fandi" - numa semana em que vamos ter também em Las Ventas, já amanhã terça-feira, o nosso matador "Juanito" a confirmar a sua alternativa.

Foram lidados quatro toiros de Torrealta e dois (primeiro e quinto) de Hermanos García Jiménez (Matilla). A Monumental de Las Ventas registou uma entrada de três quartos de casa, 16.674 espectadores segundo a empresa Plaza 1.

Fotos Ricardo Relvas e Plaza 1



Momento dramático da aparatosa colhida de Leo Valadez,
felizmente sem consequências de maior
Confirmação da alternativa de Leo Valadez ontem em Madrid

Dois momentos da triunfal actuação do toureiro mexicano

"El Fandi", azarado com a espada, foi silenciado nos dois toiros

Meritória presença de Manuel Escribano em Las Ventas, que 
merecia uma orelha no seu segundo toiro
Diogo Vicente: o toureio português esteve
ontem altamente representado em Madrid

Espanha: Duarte Fernandes no sábado na Grande Final do I Certame Promessas do Rejoneio

Depois de no sábado se ter sagrado máximo triunfador da segunda eliminatória em San Lorenzo de la Parrilla (Cuenca), cortando três orelhas e saindo em ombros (foto), o cavaleiro Duarte Fernandes vai actuar no próximo sábado 28 de Maio em Yunquera de Henares, na província espanhola de Guadalajara, na Grande Final do I Certame de Promessas do Rejoneio.

A nova estrela do toureio a cavalo, sobrinho do consagrado Rui Fernandes, reparte cartel com os rejoneadores espanhóis Adrian Venegas e Sério Pérez, na lide de seis novilhos-toiros de Hermanos Ruiz Canovas.

Foto D.R.

Rui Fernandes/João Telles: mano-a-mano inédito no próximo sábado em Coruche



Corrida de sábado em Beja começa às 18 horas

A empresa Tertúlia Óbvia adiou para as 18h00, devido ao calor previsto, o início da grande corrida que no próximo sábado 28 de Maio vai realizar na praça de Beja - e que estava inicialmente anunciada para começar às 17h00.

Frente a toiros da ganadaria Sesmarias Velhas do Guadiana, actuam o Maestro João Moura, o revolucionário rejoneador mexicano Emiliano Gamero (foto de cima) e Luis Rouxinol Jr., estando as pegas a cargo dos grupos de forcados Amadores da Moita, de Cascais e de Beja.

Foto M. Alvarenga

Vila Franca: Campinagem em debate num colóquio na Tertúlia "Bombeiro Aficionado"

Integrado nas comemorações do 90º aniversário das Festas do Colete Encarnado, vai ter lugar amanhã, terça-feira 24 de Maio, a partir das 21h00, na Tertúlia "Bombeiro Aficionado" em Vila Franca de Xira (Rua Dr. Miguel Bombarda, nº 243), um interessante colóquio subordinado ao tema "Campinagem - De que se trata? Como se vive?".

Participam o ganadeiro Pedro Canas Vigouroux, os campinos Joaquim Manuel e Mário Oliveira (Café), José Ferreira (filho de Campino e criador de cavalos) e o bandarilheiro António Pedro.

O "furacão" Andrés Romero no próximo domingo na Azambuja!

O "furacão" Andrés Romero toureia no próximo domingo 29 de Maio na tradicional corrida da Feira de Maio na Azambuja, uma organização da empresa Ovação e Palmas em que se vai comemorar o 55º aniversário do GFA de Azambuja (que pega em solitário) e homenagear o seu antigo e emblemático cabo Francisco Vassalo.

Frente a seis imponentes toiros da ganadaria de João Ramalho, actuam Manuel Telles Bastos, Marcos Bastinhas, Duarte Pinto, o "furacão" Andrés Romero, Parreirita Cigano e o praticante Joaquim Brito Paes (que vai tomar a alternativa a 21 de Julho na primeira corrida da temporada do Campo Pequeno).

Andrés Romero, que esta temporada volta a pisar os grandes palcos da Tauromaquia Portuguesa, é patrocinado em exclusivo pela sociedade Camacho Nunes - Recuperação de Crédito (com sumptuoso escritório no centro de Lisboa, junto à Praça Marquês de Pombal - fotos em baixo), cujo homem forte é o seu apoderado António Nunes, na foto de baixo, (que gere a carreira do rejoneador espanhol em parceria com o famoso Júlio Fontecha), também administrador da sociedade Camacho, Nunes & Associados (Advogados).

Fotos D.R.

Patrocinador exclusivo
da temporada do rejoneador
ANDRÉS ROMERO